Quais colírios ajudam a manter os olhos saudáveis?

Muitos oftalmologistas receitam colírios mais difíceis de serem encontrados em farmácias convencionais devido a complexidade do tratamento ou a apresentação diferenciada do produto. Para facilitar essa busca, o consultor de oftalmologia da Pharmédice Manipulações Especiais e especialista em córnea, Dr. Lucas Pires selecionou  alguns aliados à manutenção da saúde ocular e que podem ser manipulados, mediante receita médica, confira:

  1. O colírio Tacrolimus – É comumente encontrado em solução oleosa no mercado. Contudo, muitos pacientes e, principalmente, a grande maioria das crianças não se adaptam a esta versão. O colírio Tacrolimus é muito eficaz no tratamento imunomodular de alergias oculares confirmadas e resistentes a outros antialérgicos mais convencionais.
  2. Soro de cloreto de sódio 0,9% – Sem conservante em frasco de colírio – Este colírio é utilizado para o preenchimento das lentes de contato de modelo escleral para que elas possam ser colocadas no olho humano com boa adaptação. Contudo, nas farmácias em geral, este soro vem em recipientes maiores ou em ampolas, que não podem ser abertos e fechados a cada uso, aumentando o risco de contaminação. Com a versão em frasco de colírio, elimina-se este problema e o paciente ainda ganha em comodidade, ao poder controlar melhor a dosagem do soro na lente.
  3. Cloreto de sódio 5% – É muito eficaz no tratamento de edema de córnea. Contudo, as farmácias convencionais costumam oferecer apenas o soro de cloreto de sódio na concentração de 0,9%, que é indicada para tratamentos de outros problemas oculares. A Pharmédice manipula a concentração correta para o combate ao edema de córneas.
  4. Colírios Cetoconazol e Pimaricina (Natamicina) – são colírios muito eficientes na cura de infecções oculares causadas por fungos. A Pharmédice é a única famárcia em Minas Gerais que manipula o colírio de Pimaricina.
  5. Colírios antibióticos Amicacina, Cefalotina, Gentamicina e Vancomicina – Colírios indicados para tratamento de infecções oculares, a depender dos resultados dos exames laboratoriais solicitados pelo oftalmologista responsável pelo caso do paciente, se detectada a causa bacteriana.

“Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *